ESG
Escola Superior de Guerra

Embaixador da China no Brasil Participa de Ciclo de Debates em Brasília

O embaixador da China no Brasil, Li Jinzhang, ministrou palestra no Ciclo de Debates promovido pelo Núcleo Brasília da Escola Superior de Guerra (ESG), realizado, nesta terça-feira (24), no auditório do Ministério da Defesa (MD). Com o tema "Perspectiva de inserção internacional da China e sua relação com o Brasil", o embaixador falou sobre cooperação entre países e o que mais tem preocupado os chineses atualmente - o terrorismo, a economia global e o desemprego.

Li Jinzhang destacou, ao falar sobre o Brasil, que a atual crise política e econômica vivida no país não irá abalar as relações de cooperação com a China:

- "A China acumula investimentos no Brasil de cerca de 30 bilhões de dólares. Os empresários chineses continuam otimistas quanto às oportunidades de investimentos no País". Para eles, a crise é passageira", explicou.

Sobre a área de defesa, o embaixador falou sobre o constante crescimento. "A cooperação entre as Forças Armadas do Brasil e da China teve um avanço significativo nos últimos anos, inclusive com a realização de intercâmbios nas áreas de treinamento", disse.

Segundo Li Jinzhang, a China tem feito grandes esforços para continuar crescendo. Faz parte do 13° Plano Quinquenal dobrar o Produto Interno Bruno (PIB), melhorar o desenvolvimento das indústrias e aumentar a malha ferroviária do trem bala, de 19 mil para 30 mil quilômetros. Para o embaixador, o crescimento do país também depende de outros fatores. "O progresso científico e tecnológico é a principal fonte para o desenvolvimento econômico da China", disse.

Assim como o Brasil, a China tem uma tradição pacifista. De acordo com o embaixador, ações diplomáticas são desempenhadas por seu país para promover a prosperidade comum e a contribuição mútua. "Por meio de intercâmbios culturais podemos gerar a paz mundial. A China está comprometida com o desenvolvimento de todos. Defendemos o conceito de segurança global", destacou Li Jinzhang.

Cooperação

Nos últimos anos, mais de 30 países assinaram acordos de cooperação com a China. "Preferimos substituir a confrontação pela cooperação. Por meio da política, economia e cultura buscamos a solidariedade internacional", ressaltou o embaixador.

O palestrante também citou a 11ª Cúpula do G20 que irá ocorrer em setembro, na China. Para ele, o evento será uma oportunidade de união para aumentar a cooperação internacional, principalmente entre países emergentes. A colaboração entre as nações que integram o BRICS também foi citada pelo embaixador.
Essa foi a terceira palestra do Ciclo de Debates da ESG. O objetivo é aproximar ex-alunos e a comunidade acadêmica para promover uma discussão sobre variados temas de interesse nacional e internacional.

Crédito - Fotos: Gilberto Alves