ESG
Escola Superior de Guerra

Ministro Marco Aurélio Mello Ministra Aula Inaugural do CSUPE

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mendes de Farias Mello, proferiu, na manhã do dia 22 de agosto, no auditório do Ministério da Defesa (MD), a aula inaugural da 6ª edição do Curso Superior de Política e Estratégia (CSUPE), da Escola Superior de Guerra (ESG). O magistrado palestrou sobre "O Brasil e a Segurança Jurídica".

Na ocasião, o ministro, ex-estagiário do Curso Superior de Guerra (CSG/1983) da ESG, falou da importância da Constituição Federal de 1988 como ápice das normas jurídicas e criticou as inúmeras emendas constitucionais existentes. "A Constituição não é um documento flexível. Não podemos maginar que ela acabe sendo, via emendas constitucionais, colcha de retalhos, isso envolve segurança jurídica", afirmou. Como solução para os inúmeros problemas vividos no País e para alcançar melhorias, ele destacou: "não é mediante a edição de novas leis que teremos o Brasil sonhado. Nós precisamos cuidar da educação, da cultura e desse valor em desuso que é a solidariedade. Havendo uma visão do coletivo, não apenas do interesse individual, momentâneo e isolado". Ao término da palestra, o ministro respondeu questionamentos da turma.

Os estagiários foram apresentados ao Comandante da Escola, Tenente Brigadeiro do Ar Rafael Rodrigues Filho, ao diretor do Núcleo Brasília, Brigadeiro Delano Menezes, e ao assistente do Ministério das Relações Exteriores (MRE) junto à Escola, Arthur Meyer.

O Brigadeiro Rodrigues Filho deu as boas-vindas ao CSUPE e falou da ampliação da ESG. Declarando que a abertura deste curso insere-se no processo de expansão da Escola, cujos conhecimentos destinados a estudar o Brasil passam, também, a ser compartilhados em Brasília.

O Curso

O CSUPE terá duração de 11 semanas e tratará de temas como Política e Estratégia, Relações Internacionais e Indústria de Defesa. O objetivo é proporcionar conhecimentos para a análise das conjunturas e cenários nacional e internacional, de modo a possibilitar a avaliação de políticas e estratégias, em especial na área de Defesa.

As aulas serão ministradas nas dependências do Ministério da Defesa e da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Dos 48 estagiários selecionados, cinco são militares e 43 civis.